2015-09-02 00:00:00 Documentação English O boleto bancário é uma boa forma de aumentar as formas de pagamento dos produtos de sua empresa. Veja como funciona esse meio de... https://d2bnb9dvbpjkfy.cloudfront.net/wp-content/uploads/2017/05/09021315/t18.png O que é e como funciona o boleto bancário

O que é e como funciona o boleto bancário

5 min de leitura

Ampliar o leque de opções para pagamento aos clientes pode ser um diferencial e tanto para o seu empreendimento. Isso evita, por exemplo, eventuais desistências, já que alguns consumidores podem não ser adeptos de cartões de crédito ou ter contas em bancos on-line.

Por isso mesmo, emitir boletos bancários pode ser essencial para vender mais produtos e aumentar a clientela. Essa é uma alternativa rápida e prática de pagamento. Além disso, as taxas são menores se comparadas às vendas via cartão de crédito, há a possibilidade de estabelecer multas e juros sobre atrasos e o dinheiro pode ser liberado mais rapidamente.

Com isso em mente, não perca tempo: continue lendo o nosso post de hoje e saiba tudo sobre como funciona a emissão de boletos bancários e quais tipos mais se adequam ao seu estabelecimento!

LEIA TAMBÉM: Veja 7 dicas para quitar suas dívidas

Como funciona o boleto bancário

A única coisa de que você precisa para emitir boletos bancários é uma conta corrente habilitada para isso. Caso a sua conta não tenha direito ao despacho de boletos, fale com seu banco ou procure outra agência que forneça o serviço.

O processo de emissão também é rápido e descomplicado. A empresa é o cedente; ela deve enviar o boleto para o cliente, também chamado de sacado, que por sua vez tem um prazo pré-determinado para concluir o pagamento. O consumidor pode reproduzir o número do boleto para quitá-lo via internet banking e aplicativos de smartphone, ou imprimi-lo caso opte por pagar em agências bancárias e lotéricas.

Tipos de cobrança

No momento em que decidir habilitar o serviço de emissão de boletos em sua conta, você pode optar por dois tipos básicos de boletos de cobrança: sem registro e registrada.

Sem registro

Os boletos de cobranças sem registro são gerados pelo cedente. A sua empresa não precisa enviar informações sobre cliente, valor e prazo de vencimento ao banco. No entanto, toda a responsabilidade sobre checagem dos dados referentes ao boleto, inclusive o vencimento de prazos pré-estabelecidos, fica por conta do vendedor.

A única taxa, exigida pela agência bancária, só é cobrada caso o débito seja confirmado. Ainda assim, a taxa de confirmação é normalmente mais barata que a de emissão, tornando essa opção mais vantajosa no aspecto dos custos.

LEIA TAMBÉM: Entenda tudo sobre o COFINS

Registrada

Os boletos de cobrança registrada também são emitidos pela própria empresa. Nesse caso, porém, o seu estabelecimento deve expedir todos os dados correspondentes de sacado, preço e vencimento à instituição bancária geradora.

Essa característica garante que o banco possa protestar o boleto em caso de inadimplência do consumidor e que a taxa do boleto seja cobrada no momento em que o documento é gerado. Apesar do encargo ser maior do que no formato sem registro, essa alternativa pode ser considerada mais segura do ponto de vista burocrático.

Portanto, antes de decidir qual modelo é o melhor para você, coloque esses dois pontos na balança e escolha o mais vantajoso.

Tipos de boleto

Você também pode optar entre três formatos de boleto bancário: avulso, carnê e carnê simples, cada um com as suas respectivas utilidades e benefícios. Veja só!

Boleto avulso

É a forma mais comum para empresas que vendem produtos em parcela única. Ele é ótimo para venda de itens que possam ser pagos de uma vez só, sem periodicidades mensal ou bimestral; mas, se você trabalhar com saídas anuais, esse formato pode ser útil também.

Por exemplo: digamos que um cliente se interesse por um serviço de que possa usufruir durante 12 meses pagando apenas uma vez por ano. Nesse caso, o boleto avulso é bastante prático. Além disso, ele também é indicado para produtos como livros, objetos domésticos e outros aparelhos e serviços que possam ser pagos imediatamente.

Carnê

É o formato ideal para cobranças com periodicidade pré-definida. Todas as parcelas são geradas de uma só vez e unificadas num único documento, o que gera economia considerável para o estabelecimento ao reduzir os gastos com taxas de emissão.

Além disso, inicialmente, esse tipo de boleto pode ser pago em qualquer tipo de agência bancária. Mas preste atenção: é fundamental acordar o prazo e a quantidade de parcelas previamente com o cliente e evitar a geração de boletos incorretos.

Carnê simples

O formato de boleto carnê simples dispensa a participação do banco. O estabelecimento gera o boleto independentemente e fica responsável pela cobrança. Parece uma boa ideia a princípio, mas pode se transformar numa grande dor de cabeça. Isso porque, apesar da isenção de taxas, não há como garantir legalmente o dever de pagamento do cliente, e o seu negócio pode acabar com um baita prejuízo.

Como emitir boleto bancário

A emissão do boleto pode ser feita por meio do site da instituição bancária à qual você é filiado ou então via um aplicativo fornecido comumente pelo banco.

Outra saída muito eficiente é usar sistemas de software planejados especialmente para a geração de boletos. Um software de qualidade tem a capacidade de simplificar o serviço e conferir com exatidão todo o processo, tornando a emissão de boletos bancários da sua empresa mais precisa e devidamente organizada.

LEIA TAMBÉM: Veja as diferenças entre lucratividade e rentabilidade

Vantagens de usar o boleto bancário

Primeiramente, o boleto bancário permite que clientes que não sejam muito chegados a comprar produtos na internet tenham a possibilidade de pagar pelos produtos adquiridos de forma mais simples, prática e segura.

Mas não é só isso. A sua empresa também se beneficia das taxas tributadas sobre o pagamento via boleto, que são menores em comparação com cartões de crédito e outros procedimentos típicos do e-commerce. A receita proveniente da venda provavelmente chegará mais rápido aos cofres da sua empresa, o que é uma vantagem e tanto na hora de contabilizar o fluxo de caixa e a saúde financeira do seu negócio.

As informações podem estar resumidas e, portanto, incompletas. Este documento / informação não constitui, e não deve ser considerado um substituto para aconselhamento jurídico ou financeiro. Cada situação financeira é diferente e as informações oferecidas são gerais. Entre em contato com seus consultores financeiros ou legais para obter informações específicas sobre sua situação.

Artigos Relacionados

ICMS não incide na base de cálculo do PIS e da COFINS

Você já deve ter ouvido falar que o Supremo Tribunal Federal (STF)…

Leia Mais

Venda consignada: o que é e como funciona

Levar produtos para as prateleiras das redes de varejo e atacado é…

Leia Mais

MEI: o que é, quem pode abrir e como funciona

Você já deve ter ouvido falar em MEI, não é? Mas você…

Leia Mais