2017-09-06 11:23:00 Planejamento Financeiro English A margem de contribuição é um dos indicadores mais importantes da sua empresa. Entenda o que é e como calcular para o seu negócio! https://quickbooks.intuit.com/br/blog/br_qrc/uploads/2017/08/Voce-sabe-calcular-a-margem-de-contribuicao-do-seu-negocio-.png https://quickbooks.intuit.com/br/blog/planejamento-financeiro/voce-sabe-calcular-a-margem-de-contribuicao-do-seu-negocio/ Aprenda como calcular a margem de contribuição | QuickBooks

Você sabe calcular a margem de contribuição do seu negócio?

7 min de leitura

Por mais que suas vendas estejam saudáveis, nem sempre o faturamento ao final do mês é o esperado. Inclusive, é comum para diversos negócios ficarem no vermelho, recorrendo a empréstimos ou injetando capital do próprio bolso, o que não é nada ideal para a longevidade de uma empresa, concorda?

Muitos empresários costumam culpar o aumento de preço dos fornecedores, os impostos pagos e até os encargos trabalhistas dos funcionários. No entanto, um grande erro pode estar acontecendo: você não está dando a devida atenção à sua margem de contribuição.

Calcular a margem de contribuição das suas vendas é um passo importante para pensar no melhor preço para os produtos e serviços. Afinal, é precificando corretamente que você torna o negócio competitivo, paga as despesas e, claro, tem lucro. Porém, você sabe como fazer essa conta? Apesar do nome difícil, é bem mais simples do que parece. E a gente vai auxiliar nessa etapa da sua gestão financeira.

Neste artigo, além de explicar o que é a margem de contribuição, ajudamos você com exemplos de cálculos e mostramos como a tecnologia pode trazer um auxílio importante no dia a dia. Acompanhe para deixar suas finanças mais organizadas e, claro, seu negócio lucrativo!

O que é margem de contribuição, afinal?

A margem de contribuição é o valor que sobra da sua receita para pagar as despesas fixas e gerar lucro, depois de descontados os custos e despesas variáveis. Assim, a margem se torna um indicador que mostra quanto dinheiro sobrou da receita de vendas de seus produtos; isso, é claro, levando em conta o pagamento dos custos e despesas variáveis.

Em outras palavras, a margem de contribuição determina se a receita das vendas é suficiente para pagar custos e despesas e ainda proporcionar o devido lucro à empresa. Se você está tendo que injetar capital, claramente esse é um sinal para rever sua margem de contribuição. Que tal um exemplo para ficar mais fácil?

Suponhamos que você vendeu um produto de R$ 100. Seus custos de produção e despesas variáveis (impostos e comissão dos funcionários, por exemplo), foram de R$ 55. O restante, R$ 45, é a sua margem de contribuição. E o índice de margem de contribuição, nesse caso, é de 45%. Por fim, esse valor é destinado às despesas fixas e, o que sobrar, vem como lucro.

Qual é a diferença entre lucro e margem de contribuição?

Como explicamos, a margem de contribuição é o indicador que aponta o percentual de faturamento que você tem para pagar todas as suas despesas fixas. Já o lucro é o resultado dessa conta — ou seja, o montante final.

Assim, após pagar todas as despesas e custos da operação, sobrou dinheiro? Ótimo! É sinal de que você teve lucro e indica que a margem de contribuição está corretamente calculada. Caso contrário, é um indicativo de que você precisa repensar essa margem com certa urgência.

Por que calcular a margem de contribuição?

A resposta direta é porque você precisa de um preço justo em seus produtos, para que sua empresa se mantenha competitiva no mercado e consiga pagar as despesas de um jeito saudável.

Dessa maneira, a margem de contribuição funciona como um instrumento de apoio à tomada de decisão mais correta, permitindo a identificação de produtos mais rentáveis e o planejamento adequado da precificação. Quando esse cálculo é bem feito, sua empresa é dirigida por meio de decisões fundamentadas, e não de achismo ou intuição.

O fato é que somente a margem de contribuição indicará com precisão se a empresa terá lucro ou prejuízo, eliminando qualquer tipo de distorção quando calculamos o nosso lucro.

Entretanto, essa importância vai além! A margem de contribuição tem um papel indispensável na hora de calcular o famoso (e tão desejado) ponto de equilíbrio financeiro, ou seja, o momento em que a empresa iguala as receitas em relação aos custos e às despesas.

Assim, tenha em mente que é necessário considerar que a margem de contribuição já deduz de maneira automática os custos e as despesas variáveis, para poder cobrir todas as despesas fixas. No final de todos esses números, o capital ainda deve ser suficiente para constituir lucros satisfatórios, que permitam à empresa poder inovar.

Quando usar?

O cálculo da margem de contribuição deve ser feito durante o planejamento de uma empresa, exatamente no momento da precificação de seus produtos e serviços. Porém, não adianta fazer isso uma vez ao ano ou duas e nunca mais. A margem de contribuição precisa ser revista com periodicidade — é essa boa prática que vai garantir a saúde do negócio.

Muitos negócios têm o costume de fazer balanços mensais ou a cada trimestre. Em geral, quanto menor é essa margem, mais frequentes devem ser esses balanços para não comprometer o faturamento.

Como calcular a margem de contribuição?

Ao longo deste artigo, vimos que a margem de contribuição nada mais é do que o restante da receita após o desconto das despesas variáveis. Por isso, você pode usar a seguinte fórmula para calcular o indicador:

Margem de contribuição (MC) = Valor da venda – Custos e despesas variáveis.

MC = 100 – 55

MC = 45

Ou seja, depois de descontar as despesas variáveis, sobram R$ 45 para pagar as fixas e ainda lucrar. Olhando para o todo, essa quantia é suficiente para esses pagamentos, lucrar e olhar para a inovação? É preciso avaliar bem esse ponto para não impedir sua empresa de progredir.

Exemplo de cálculo

Agora que você viu a base do cálculo, vejamos o exemplo de uma empresa que vende programas para computadores, sem recorrência. O preço do software é de R$ 2.000. Os custos e as despesas variáveis somam R$ 1.200. Então, temos:

MC = 2.000 – 1.200

MC = 800

Para saber o quanto isso está saudável, é necessário ver o que sobra para investir em inovação, até pensando que a concorrência pode ser grande.

Por que não ratear os custos fixos no preço?

O rateio de custos fixos é um dos maiores erros do mercado, que tira a competitividade de muitas empresas já estabelecidas. Pense só em uma firma de TI cuja sede ocupa todo um andar de um prédio empresarial.

Essa empresa tem despesas de aluguel, manutenção, funcionários etc. Agora, imagine uma consultoria de TI que está começando e terceiriza funcionários. Serão menos custos fixos para o mesmo serviço, certo?

Por isso, o processo de precificação precisa olhar para o lucro desejado, não apenas para as contas fixas. É isso que vai fazer com que você não perca a competitividade.

Como usar a margem de contribuição para pensar no preço dos meus produtos ou serviços?

A margem de contribuição pode ser um ótimo ponto de partida para precificar. E para entender, vamos a mais um exemplo: suponhamos que as despesas fixas do seu negócio representam 10% do que você vende. Além disso, você deseja um lucro de 10%. Sua margem de contribuição, portanto, precisa ser de 20%. Tendo isso em mente, você sabe que suas despesas e custos variáveis não podem ultrapassar 80%.

Agora, a dica é ter um pouco mais de atenção: da receita mensal, diminua o valor das despesas variáveis e veja se o que sobra é a margem de contribuição que você precisava. No caso do nosso exemplo, um índice de 20%. Não é suficiente? Então, é hora de repensar os preços para que eles atendam às suas necessidades.

Como manter o controle de todas as receitas e despesas?

Uma boa solução é utilizar um gerenciador financeiro confiável e eficiente, que apresente todas as informações de forma clara e precisa. E a nossa recomendação é a ferramenta de fluxo de caixa do QuickBooks. Além de segura e gratuita, com ela você controla todas as receitas, despesas e impostos da empresa, e assim pode ter atenção à margem de contribuição e saber se está tendo lucros.

Como a tecnologia pode ajudar?

Alguns sistemas de gestão, como os ERPs, conseguem ajudar os empresários a controlar melhor as despesas e avaliar a margem de contribuição mais adequada. São ferramentas que unem os diferentes setores do negócio, registrando todas as informações relativas a custos de serviços ou produtos. Em geral, são programas que geram diversos relatórios detalhados e customizados a partir das necessidades de cada negócio. Assim, é possível acompanhar semana a semana como estão os lucros.

Como você viu, calcular a margem de contribuição é urgente para a saúde das empresas. Também é uma prática que precisa ser sempre revisitada, garantindo que tudo está caminhando da melhor maneira. Por fim, cabe estabelecer metas para que você tenha mais foco na hora de alocar os recursos.

Agora que teve um panorama da importância da margem de contribuição, aproveite para entender o que é a margem de lucro e como fazer esse cálculo!

As informações podem estar resumidas e, portanto, incompletas. Este documento / informação não constitui, e não deve ser considerado um substituto para aconselhamento jurídico ou financeiro. Cada situação financeira é diferente e as informações oferecidas são gerais. Entre em contato com seus consultores financeiros ou legais para obter informações específicas sobre sua situação.


Sistema de Controle Financeiro para seu Negócio

Veja também

O que é a precificação e como fazer corretamente em sua empresa

Definir corretamente os preços de produtos e serviços oferecidos pela empresa é…

Leia Mais

Entenda o que é e como calcular a Margem de Valor Agregado (MVA)

Entender o cálculo de tributos e outras questões relacionadas à contabilidade é…

Leia Mais

O que é markup e como calcular corretamente

Você está cobrando o preço certo pelos produtos que você vende ou…

Leia Mais